iG - Internet Group

iBest

brTurbo


16/07 - 02:11hs

Dudu Nobre: "Estava vivendo como se tivesse três filhas. De seis anos, de sete, e outra de 36"

Valmir Moratelli, iG Rio de Janeiro

Sambista fala pela primeira vez sobre o conturbado fim do casamento com a dançarina Adriana Bombom, e revela que está pedindo a guarda das duas filhas

 

Fabrizia Granatieri

 

 

Dudu Nobre vive, como se diz no mundo do samba, um “quiprocó” com sua ex-mulher, a dançarina Adriana Bombom. Após dez anos de casamento, com uma filha de seis e outra de sete anos, se divorciaram em outubro passado. No mês seguinte, Adriana participou do reality show “A Fazenda” e, quando saiu, distribuiu farpas na imprensa sobre o sambista.

 

Veja aqui mais fotos da entrevista de Dudu Nobre

 

Dudu preferiu manter-se calado. Só agora resolveu dar sua versão sobre a conturbada separação. Ele procurou a reportagem do iG para uma conversa em sua casa, em um luxuoso condomínio de casarões no Recreio dos Bandeirantes, no Rio. Cercado de papagaio, arara, dois cachorros, um gato, uma cacatua e até um lagarto, Dudu falou sobre os motivos que o levaram a entrar na Justiça, há algumas semanas, com pedido da guarda das duas filhas. “Elas já me pediram para ficar comigo. Aqui em casa elas têm convívio familiar, lá é 24 horas com a babá”, diz.

 

Vote em nossa enquete: Quem tem razão, Dudu ou Bombom?

 

Ele não confirma, mas a música “Quebro, não envergo”, que compôs há dois anos, diz muito dessa relação. Os versos dizem assim: “Te desejar é meu vício, dor pra me fazer chorar/ Ópio pra me entorpecer, bebida pra me embriagar/ É paixão pra me fazer sofrer, enlouquecer/ Vou te esquecer, pois viver assim não dá”.

 

Aos 36 anos, o sambista acaba de fazer uma participação no filme “Tropa de Elite – 2” interpretando um capitão do Bope. Com dez de carreira, sete CDs e cerca de 150 músicas gravadas, Dudu não pretende mais compor para a ex. “Não tenho isso de compor em situações tristes. Para ser sincero, estou feliz demais. Estou com nova namorada (Priscila Grasso, bancária, 24 anos), uma pessoa maravilhosa, que não gosta de aparecer”, diz ele, insistindo em seguida com a bela morena para posar ao seu lado na foto que ilustra esta reportagem.

 

Fabrizia Granatieri
Dudu Nobre com a namorada, Priscila Grasso

 

iG: Por que só agora você resolveu falar sobre a separação?
DUDU: Até hoje eu não tinha dado nenhuma declaração sobre isso porque em nenhum momento tentei provocar a Adriana. Adriana precisa de tratamento, ela tem problemas. É um assunto dela, ela é quem tem que resolver. É claro que eu estava disposto a ajudar. É uma coisa que sempre me irritou, até que chegou num ponto que não deu mais. Falei para ela que, se não procurasse ajuda, eu iria me separar. Ela se recusou a fazer qualquer tratamento.

 

iG: Qual é o problema da Adriana?
DUDU: O problema não foi pós-separação, era algo de bem antes. Muita gente sabe do que estou falando, mas não tem coragem de tocar na ferida. Não vou ser eu quem fará isso. Dei todo apoio para ela resolver isso, mas ela não quis minha ajuda. Quando ela saiu de “A Fazenda”, nosso acordo de separação já estava correndo na Justiça. Conversei com ela para vir aqui em casa tirar suas coisas. Passou mais de um mês e nada. Já não havia mais respeito entre a gente.

 

iG: Ela tem problema com drogas?
DUDU: Eu não quero falar. Todo mundo do meio artístico sabe. Não quero me meter nesta história. É um problema que ela tem há anos. A gente só ajuda quem quer ser ajudado. Falo de mim. Nunca me envolvi com drogas e bebida.

 

iG: Por que ela não pede ajuda médica?
DUDU: Se você encontrar com ela na noite, dando os ‘pitis’ de artista, vai achá-la uma maluca. Mas ao mesmo tempo ela é capaz de sentar aqui na sua frente e dar uma entrevista cheia de carisma. Ela tem transtorno bipolar, que é uma consequência desses problemas pessoais que ela não quer tratar.

 

iG: Você a expulsou de casa?
DUDU: Achei quatro apartamentos no valor do acordo e pedi para ela escolher um deles. Adriana se recusou a vê-los, dizendo que eram “muquifos”. No dia 17 de março, dei um prazo de dez dias para ela sair da minha casa. Aluguei um apartamento de três quartos, todo mobiliado, chamei meu motorista e mandei que descesse com tudo que era dela.

 

iG: Como suas filhas reagiram?
DUDU: Minhas filhas estavam aqui, expliquei o que acontecia, avisei que elas teriam a casa da mamãe e a do papai. Até me ajudaram a empacotar as coisas da Adriana para levar na mudança. O que não pode é eu me separar em outubro e, em março, ela continuar morando comigo. Ela bancando de patroa, com cozinheira, empregada em casa...

 

Fabrizia Granatieri

Dudu Nobre: "Bombom não teria condição de manter uma casa dessas"

 

iG: Geralmente é o homem quem sai de casa. Por que você preferiu que ela saísse?
DUDU: Aqui tem um custo muito alto. Conta de luz, de água, de gás, que passam dos mil reais cada uma. Tenho três funcionários fixos, fora a manutenção da casa e os serviços de jardim. Bombom não teria condição de manter uma casa dessas. Ela dizia que não tem dinheiro para colocar gasolina no carro. Eu estava vivendo como se tivesse três filhas. Uma de seis anos, uma de sete e outra de 36.

 

iG: Você paga pensão para as filhas?
DUDU: Pago 100% da pensão. Pago plano de saúde, escola, alimentação, roupas... Minhas filhas falam que lá no apartamento da Adriana é tudo bagunçado, que ela não para em casa. É uma desordem. Elas já me pediram para ficar comigo. Aqui em casa elas têm convívio familiar, lá é 24 horas com a babá. Por isso entrei na justiça para inversão de guarda das crianças.

 

iG: Como está o processo?
DUDU: Em andamento, em segredo de justiça. Também entrei com um processo de danos morais e um outro para proibi-la que cite meu nome publicamente, como Elis Regina fez com Ronaldo Bôscoli, quando se separaram. A babá veio aqui em casa desesperada. “Dona Adriana abandona as meninas”, ela me disse. Ela só sabe ligar pros paparazzi dizendo que vai pro shopping com as filhas, para posar de boa mãe... Faz as fotos, coloca as crianças num táxi e vai encontrar com as amigas.

 

iG: Esse drama familiar influenciou na repetência escolar das crianças, no ano passado?
DUDU: Sim. No meio do ano, Adriana foi chamada na escola. Era o dia do “Prêmio Contigo”, no qual ela concorria a melhor humorista de TV. Quando a diretora falou que as meninas estavam mal nos estudos, ela respondeu: “Isso é problema seu. Tenho mais o que fazer, estou concorrendo a um prêmio”. Daí a professora me ligou. Acertamos que eu pagaria por aulas de reforço. Mas Adriana não acompanhou isso, e elas repetiram.

 

iG: Alguma vez vocês se agrediram fisicamente?
DUDU: Quando ela começava a gritar, a xingar, eu pegava as crianças e saía. Deixava ela sozinha em casa. Porque se eu ficasse, era horrível. Ela partia para me agredir, sim.  Nunca bati nela, só procurei me defender. Adriana é uma mulher grande, faz boxe... Se eu saio na porrada com ela, vou me machucar.

 

iG: Em maio, os jornais noticiaram que Adriana “esqueceu” suas filhas em um churrasco. Ela teria ido para casa buscar um casaco e só retornou no dia seguinte. Você sabe o que aconteceu?
DUDU: Estava fazendo um show no Paraná. Às 17h, liguei pra elas. Me contaram que estavam numa festa e que a mamãe tinha dado uma saída. Às 19h, liguei de novo, e elas me falaram que queriam ir embora. Adriana não tinha voltado. Liguei de novo às 21h, às 22h, e nada dela. Uma da manhã, o dono da festa me ligou, dizendo que as crianças iam dormir por lá, já que a Adriana não voltou pra buscá-las. Liguei então pra ela, que me atendeu falando palavrão e desligou o telefone.

 

Fabrizia Granatieri

Dudu Nobre recebe o iG em sua casa e fala sobre a ex-mulher, Adriana Bombom

 

iG: Ela te explicou depois por que só buscou as meninas no dia seguinte?
DUDU: Claro que perguntei o que aconteceu. Mas ela, sempre aos gritos: “Não é da sua conta!”. Isso sem falar nas vezes que ela foi parada em blitz da “Lei Seca”, e me ligava para resolver sobre o carro rebocado. Ela bebe muito! Álcool é outro problema.

 

iG: O que você sente hoje por ela?
DUDU: Sinto pena. Ela não tinha necessidade de ficar se expondo dessa maneira. Se ela foi criada sem pai, palmas para a mãe dela, que foi guerreira. Mas eu tenho o dever e a vontade de exercer minha função de pai.

 

Veja também entrevista exclusiva com Adriana Bombom: “Não vou virar saco de pancada”

Você tem mais informações? Envie para Minha Notícia, o site de jornalismo colaborativo do iG


publicidade

Contador de notícias