REMOTE

Tom, o novo Didi

De tempos em tempos a televisão se renova e o público elege novos ídolos em todas as áreas, dos desenhos animados às novelas, dos programas de entrevistas ao humor. O público também decide que atrações vão virar ‘clássicos’, como no caso do seriado ‘Chaves’ e o desenho do ‘Pica-pau’.

 

Na área do humor popular das emissoras abertas, cujo top de linha sempre foi o programa ‘Os Trapalhões’, liderados por Renato ‘Didi’ Aragão, um profissional caminha firme para o alto da pirâmide: Tom Cavalcante.

 

No domingo passado (25), mais uma vez Tom deixou a Globo para trás com o quadro ‘Bofe de Elite’, durante mais de uma dúzia de minutos. A cada domingo o programa deixa mais claro que está pronto para ocupar o lugar dos Trapalhões, com Tom no papel de Didi e Tiririca substituindo o saudoso Zacarias. As comparações param por aí.

 

 

Comparar Maguilla com Mussum seria forçar a barra além da conta.

 

 

Site da Rede Record

 

Deve haver alguma orientação jurídica, contratual, que explique a decisão do site da Rede Record de não colocar o nome de nenhum participante do programa Show do Tom no texto disponível para o público. É como se o programa fosse feito exclusivamente por Tom Cavalcante. Não há uma única foto dos participantes dos quadros, nem mesmo do Bofe de Elite. Estranho.

 

 

Migração

 

Um dos movimentos mais visíveis de migração de audiência é aquele que acontece quando um programa de grande audiência termina. Assim que o Show do Tom terminou na Record os pontos do Ibope voavam para o SBT. Mesmo sendo apenas números o palpite mais certeiro de quem acompanhava a tela era a de que aquela massa era composta em sua maioria de homens, das classes C,D e E.

 

 

Despindo o santo

 

No mínimo deselegante, para não dizer ingrata, a afirmação de Britto Jr. numa entrevista online de que a Globo trata mal seus profissionais. Por mais que o caminho para subir na vida passe pela tendência de bajular a casa onde se está não é de bom-tom falar mal do lugar onde já se esteve.

 

Para dizer que a Record é uma boa emissora ou uma boa empresa, não é necessário dizer que a Globo é uma emissora ruim. A sabedoria popular, aliás, classifica este tipo de  titude como o ato de despir um santo para vestir o outro.

 

 

Cano

 

Não há dúvida. A dança no cano, Pole Dance, protagonizada pela belíssima Flávia Alessandra na novela Duas Caras, promete ser o novo hype da televisão. O cano já faz tanto sucesso que pode ser chamado de ‘cabo’ de elite.

 

 

Pole Dance no Pânico

 

A dança no cano do Pânico na TV de domingo (25), ao vivo, foi o pico de audiência do programa. Mais de 11 pontos na prévia do Ibope, cujos resultados consolidados são divulgados toda 3ª. feira. O quadro vai ter continuidade na próxima edição.

 

 

Monique Evans

 

O quadro ‘Irritando Monique Evans’, uma brincadeira da dupla Vesgo e Silvio do Pânico na TV, promete vida longa. Pelos comentários nos corredores da RedeTV, a apresentadora ‘pega pilha fácil’. Quanto mais ela se irritar mais tempo o quadro vai durar ...

 

 

Nicknames na rede

 

Muitos famosos possuem contas em comunicadores online, mas, evidentemente, escolhem nicknames particulares para que a grande massa de fãs não os descubra. Jô Soares tem um apelido deste tipo no MSN, distribuído apenas para amigos e colegas de trabalho. Juca Kfouri também tem um disfarce.

 

No Skype, seu nome de tela é a versão sem acentos de vovô babão, vovobabao. Não deixa de ser uma opção simpática e afetiva. No peito de um jornalista tarimbado bate um coração de vovô apaixonado.

 

 

Triste realidade

 

A julgar pelo texto e o tom da narração em off de algumas histórias veiculadas pelo programa ‘Márcia’, na Band, deve ser grande o número de pessoas que gostam de ser tratadas como criança.

 

A linguagem tatibitati é praticamente insuportável para os apreciadores de uma linguagem adulta e formal, mas como o programa vai bem de audiência, tudo leva a crer que a produção está fazendo a coisa certa, isto é, adaptando a linguagem ao baixíssimo nível de cultura e informação das pessoas que prestigiam a atração. As mazelas do Brasil, como a miséria, o analfabetismo, a falta de opções de lazer também são refletidas nas preferências de uma parcela dos telespectadores.

 

 

Infantilização

 

O Programa da Tarde, da Record, apresentado por Maria Cândido parece estar totalmente sem rumo. Os quadros apenas se sucedem, não têm ligação entre si. Matérias sem propósito, pegadinhas, material frio, uma tristeza.  Não há uma proposta, nada. É o famoso programa tapa-buraco. O desânimo da apresentadora é visível.

 

Os textos em off também são incrivelmente infantilizados. Se você deixar a tv ligada e prestar atenção só no áudio é provável que você se confunda com a programação pré-escolar da TV Cultura.

 

 

Calcinha

 

É inacreditável que, mesmo depois de ocupar muitos centímetros quadrados de espaço na mídia por freqüentar festas sem calcinha, Adriane Galisteu ainda consiga espaço na imprensa por ter mostrado a calcinha durante um ensaio na escola de samba. É o caso de dar os parabéns a assessoria de imprensa da moça.

 

 

Assessorias

 

Alguns assessores de ‘celebridades’ são tão bons em plantar qualquer coisa que deveriam receber um prêmio de ecologia. Ou de agricultura.

 

 

Fantasia

 

A nova edição do programa do SBT, “Fantasia”, game show com mulheres bonitas cuja missão fundamental é manter a audiência masculina acordada, continua liderando as madrugadas. Até aí, tudo certo. O problema do “Fantasia” não está na TV mas na Internet.

 

No site oficial do programa, no quesito ‘apresentadores’, há erros básicos de português, como a falta de concordância entre o sujeito composto e o verbo na frase sobre Ellen Ganzarolli: “Seu carisma e talento fez com que...”. Seu carisma e talento FIZERAM com que, certo? Ou será que eu estou fantasiando?

 

RODAPE TEXTO