Babado






notícia publicada em 13/06/2002 às 22:00

Bordões fazem sucesso na novela O Clone



Thiago Aragão
Por Daniel Marcusso A novela O Clone vai deixar saudades. Um dos motivos são os bordões, aquelas frases que, repetidas com certa freqüência, marcaram os principais personagens da trama de Glória Perez. No núcleo de São Cristóvão, tão famosos quanto seus pastéis, degustados até pelo Rei Pelé, ficarão as divertidas frases de Dona Jura (Solange Couto): "Não é brinquedo não!" - repetida por nove entre dez brasileiros - e "Só se for agora!". Também são deste núcleo o "Bom te ver!", de Ligeiro (Eri Johnson); "Excelente!", de seu companheiro inseparável Raposão (Guilherme Karan); e "Ê vida!" do mecânico Gasolina (Eduardo Canuto). Noêmia (Elizângela), outra moradora do bairro, costumava dizer no início da novela "Que nervoso!", ao ser galanteada pelo Tio Ali (Stênio Garcia). Mas acabou se casando com Mustafá (Perry Salles) e a frase continua sendo usada, mas agora no sentido literal... Odete (Mara Manzan), freqüentadora assídua do Piscinão de Ramos, desenvolveu a célebre "Cada mergulho é um flash!" graças ao grande número de "mídia" que vive no local. Odete, inclusive, foi a grande responsável por alimentar o ciúme doentio de Lidiane (Beth Goulart). A dona do bordão "Vamos combinar?", descontrolada ao falar sobre o marido, Tavinho (Victor Fasano), abusava dos adjetivos, "deus" e "Apolo". Abandonada pelo marido Escobar (Marcos Frota) e atordoada com o vício de seu filho Nando (Thiago Fragoso), Clarice (Cissa Guimarães) utilizava, com muita propriedade a máxima: "Tem que ser muito artista". Ivete (Vera Fischer) sempre decidida, não levava desaforo pra casa e sempre, no melhor estilo carioca, disparava: "É ruim, hein?" No núcleo árabe da novela, Nazira (Eliane Giardini), que passou toda a trama procurando por um marido, sentia-se "tratada como um camelo" ou "pisada como um tapetinho". Irritada, declarou inúmeras vezes que "todos iriam arder no mármore do inferno", inclusive seus irmãos e as "odaliscas" que eram casadas com eles. Frase também muito utilizada pelo ancião Tio Abdul (Sebastião Vasconcelos) ao ensinar sua família a não cometer o "haram" (pecado). Lattifa (Letícia Sabatella) teve de batalhar para que o marido Mohammed (Antonio Calloni) não se casasse com outra mulher. Passou o tempo todo com medo de "ser sacrificada como um carneiro", enquanto seu marido "não gostaria de ter a cara arrastada pela Medina", ainda mais porque "a palavra vale um escrito". Jade (Giovana Antonelli), a heroína da história, foi "jogada ao vento" uma porção de vezes. Como ninguém pode escrever sobre as escritas de Allah, ela sofreu pelo amado Lucas (Murilo Benício) e pela guarda da filha Khadija (Carla Diaz). A pequena consagrou a expressão árabe Insh`Allah. E não se estranhe se chegar à casa de um amigo e ele recepcioná-lo com um Assalamu Aleikon (A paz esteja sobre vocês). Ele também deve ser fã de carteirinha da novela. Aproveite a ocasião e responda como Said (Dalton Vigh) ou Zein (Luciano Szafir): Ua aleikom Salam (e sobre vocês a paz).

Veja mais notícias de: O Clone